Análises

Catherine Classic – Análise

catherineclassic

Catherine foi lançado inicialmente em Julho de 2011 nas consolas Playstation 3 e Xbox 360 em território Norte Americano, tendo chegado à Europa apenas em Fevereiro de 2012. Destacou-se facilmente pelo seu conteúdo e toda a sua apresentação, com vídeos de pura animação japonesa, a qual ficou a cargo de Studio 4ºC. Esta empresa envolvida é bastante conceituada e esteve presente em grandes projetos como Memories, Tekkonkinkreet, trilogia dos filmes de Berserk, entre outros. Agora, passados todos estes anos, Catherine ficou finalmente disponível para PC e, apesar de poder parecer um pouco tarde, existem algumas melhorias presentes nesta versão.

catherineclassic1

Estamos perante um tipo de jogo que começa a crescer cada vez mais fora do Japão, terra onde os simuladores de relacionamento são algo em voga há já muito tempo. Vincent, o personagem principal, tem 32 anos e está num relacionamento com uma rapariga chamada… Katherine. Toda a sua vida leva o rumo de um casal aparentemente comum, onde a certo ponto começam a surgir diálogos sobre o passo seguinte, seja ele qual for. A dado momento, uma rapariga loura e vistosa, aparece na vida de Vincent, levando-o à loucura, desespero interior e psicológico. O assédio desta nova rapariga, a qual se chama Catherine, é real e as coisas começam a complicar para Vincent, tornando-o num poço sem fundo de dúvidas existenciais.

catherineclassic2

Durante o dia, Vincent frequenta o bar onde fala com os seus amigos e desabafa sobre a situação, bem como com outros clientes do estabelecimento onde até pede alguns conselhos. Este tipo de interações terão consequências a longo prazo e, por essa mesma razão, o jogo acaba por ter vários finais. Para além de podermos interagir com as pessoas em nosso redor no bar Stray Sheep, também é possível trocar mensagens através do telemóvel, inclusive, sempre com várias opções de resposta. Mas se durante o dia estamos perante uma jogabilidade de interação humana, é durante a noite que os pesadelos acontecem e somos transportados para uns puzzles onde temos que tentar sobreviver. Estes consistem em escalar enormes cubos até ao topo, colocando-os em posições que nos facilitem a subida mas, onde o perigo espreita a toda a hora, pois o fundo do puzzle está a desmoronar-se.

catherineclassic4

Os puzzles iniciais são acessíveis mas rapidamente começam a criar algum desafio. Felizmente, existem checkpoints a meio da subida, embora tenham que apanhar o item necessário para o jogo gravar. Para além desse item, também existem outros como fazer aparecer um cubo extra para ajudar, ou para prejudicar os adversários na escalada, entre outros. Após chegarmos ao topo, passamos por uma zona onde temos outras ovelhas (pessoas nas mesmas situações que nós) e com as quais podemos interagir de modo a saber por que razão estão ali e como vai o seu problema. Para além disso, podemos comprar itens para ajudar nas próximas escaladas. Depois dessa zona, entramos num género de confessionário e onde nos é feito todo o tipo de perguntas alusivas a relacionamentos e decisões morais. Uma vez respondida, podemos comparar as nossas respostas com as do resto do público e assim chegamos ao dia seguinte. É esta a jogabilidade base de Catherine, por entre muitos vídeos em formato de anime e muitas peripécias pelo caminho.

catherineclassic3

Esta versão para PC, como seria de esperar hoje em dia, conta com resolução 4K e sem limite de frame rate o que, a nível geral, acaba por melhorar muito a experiência obtida nas consolas da geração passada. Outra das novidades é a inclusão de áudio em japonês, onde nas versões da PS3 e Xbox 360 só existia em inglês. Para quem só gosta de jogar jogos japoneses ou ver anime com áudio em japonês, é uma grande mais valia. No que diz respeito à banda sonora, nada de especial a salientar, sendo puramente música ambiente com um toque mais relaxado durante as conversas e uma sonoridade de maior intensidade na hora dos puzzles. De salientar a presença de um modo Coop e Versus, o que são facilmente vertentes onde podem tirar algumas horas de divertimento para jogar os puzzles com amigos.

 

Apesar de todos estes anos após o lançamento inicial, Catherine continua a ser uma boa experiência, principalmente, para quem nunca teve a oportunidade de jogar. É certo que Catherine Full Body está previsto chegar este ano com mais conteúdo e novidades mas, enquanto não chega, esta é uma boa oportunidade para quem só joga no PC. Se por acaso já jogaram o jogo para as consolas, então, para além dos visuais e áudio japonês, não existe grande incentivo para voltar a jogar.

muito bom

positivo Visuais com resolução 4K
positivo Áudio Japonês pela primeira vez
positivo Vários finais disponíveis conforme as vossas escolhas
positivo Puzzles são divertidos e desafiantes
errado Se jogaram a versão das consolas, então não existe grande incentivo para jogarem esta

Data de Lançamento: 10 de Janeiro de 2019
Produtora: Atlus
Editora: Sega
Género: Plataformas
Disponível para: PC

Foi disponibilizada uma cópia do jogo para análise por parte da Ecoplay.

Categorias:Análises

Tagged as: , , , ,

5 replies »

  1. Desde que comecei a acompanhar melhor o trabalho da Atlus, especialmente a série Persona, eu fiquei curioso por jogar Catherine. Me parece mais um daqueles jogos japoneses com características curiosas, afinal ele mistura visual novel e puzzle com uma temática diferenciada. E pelo texto parece que é exatamente isso 🙂

    Essa versão para PC parece uma boa opção para conhecer o jogo, mas como não tenho pressa eu vou esperar o lançamento de Catherine Full Body.

    Liked by 1 person

    • Tenho Persona 5 há dois anos mas ainda não consegui começar. Tentei algumas vezes mas nunca fui para além dos 30min. Esta semana tenho planeado finalmente começar a jogar a sério visto que acho que vou ter algum tempo, antes do tornado que se avizinha em Fevereiro com uma quantidade absurda de AAA a serem lançados ahah Será o meu primeira Persona.

      Quanto a Catherine, diria que é como estar a ver anime (pois os vídeos são sempre nesse “formato”), realizar alguns puzzles (algo complicados com o tempo) e interagir com as pessoas do mundo que rodeia o personagem principal. Gostei bastante da experiência quando joguei o original há uns anos atrás e agora voltei a gostar. Se nunca jogaste, esta é uma boa versão ou senão, podes sempre esperar, como disseste, pela versão Full Body. 🙂

      Liked by 1 person

  2. Eu sei mas o que vou fazer, algum dia tenho que começar essa longa jornada 😂 Ao fazer análises, vai sempre haver algo no caminho e se o jogo demora assim tanto tempo, acho que vou precisar de uns brakes pelo caminho seja como for. Ok, lembrei-me que comprei o Dragon Ball FighterZ em Dezembro e ainda mal joguei… 😅 Hmm assim fica difícil ahah

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s