Destroy All Humans! – Análise

destroyallhumans

 

O primeiro jogo da série saiu há quinze anos e muita coisa mudou desde então. O remake de Destroy All Humans! aparece numa altura onde a remasterização de um jogo antigo é prática comum onde algumas vezes são bem feitas, outras nem por isso. Seja como for, é sempre uma mais valia (na maioria dos casos), ter o jogo reajustado em diversos aspetos e a correr nas atuais plataformas, colocando o mesmo à mercê de um maior público, bem como novos jogadores que nunca tiveram a oportunidade de jogar na respetiva altura.

Este remake do primeiro jogo faz o que é suposto num trabalho destes. Ajusta a jogabilidade ao comum dos dias de hoje, ao mesmo tempo que melhora imenso os visuais tornando-os mais apelativos. Relativamente à história, estamos na pele de Crypto 137, um pequeno alien (não é verde) que é enviado à Terra para salvar o seu clone Crypto 136, o qual foi capturado pelas forças terrestres. A partir daqui, temos toda uma aventura cheia de humor, com algumas referências de outros tempos, e que nos proporcionam momentos relaxados enquanto espalhamos o caos por entre os humanos.

 

destroyallhumans1
As invasões de propriedades privadas nunca têm um final feliz. Para os humanos, claro.

 

Mais missões, mais armas, mais upgrades

Existe uma boa variedade de missões e estas têm lugar em diversas zonas, as quais vão desbloqueando à medida que vamos progredindo na campanha. Após terminarmos uma missão principal, podemos voltar a essa zona para completar desafios extras e ganhar créditos para efetuarmos melhoramentos às armas e à nave. Estas zonas acabam por ser um género de hubs que podemos aceder através do menu da campanha, local onde também podemos efetuar os tais melhoramentos e obter informações sobre as mecânicas de jogo, entre outras coisas.

O arsenal à nossa disposição permite uma boa diversidade de ataques e também possuímos poderes que nos deixam levitar objetos e humanos. É fácil criar o caos com as ferramentas disponíveis e isso é sempre uma mais valia num jogo que prime pelo bom sentido de humor e divertida jogabilidade. O jogo deixa-nos conduzir a nossa nave espacial, a qual também podemos melhorar com upgrades, e são sempre momentos de puro divertimento ao queimar e fazer explodir tudo o que se encontra no terreno. Ainda assim, a condução da nave podia ser um pouco mais fluída, e a própria câmara de jogo nesses momentos beneficiaria se tivesse um pouco mais de liberdade.

 

destroyallhumans2
É durante a condução da nave que podemos criar o autêntico caos.

 

Apesar de raros pop ups de texturas aqui e ali, este remake consegue um resultado final visual bastante bom. Os níveis oferecem uma boa diversidade no que toca ao design e os próprios modelos “cartonescos” dos personagens, acabam por ajudar a manter o espírito do jogo original, ao mesmo tempo que se ajustam a um padrão mais comum da atualidade. Quero ainda destacar os efeitos especiais aplicados nos humanos ao serem eletrocutados, ou simplesmente queimados, sobrando apenas o esqueleto. Estes são apenas alguns dos momentos que nos transmitem a sensação de missão cumprida, enquanto espalhamos o terror pelo planeta.

Relativamente ao áudio, destaque para o bom voice acting, dando ainda mais força ao, e isto é algo que não me canso de dizer, bom sentido de humor do jogo. Ainda na vertente áudio, tive um bug em que o som de um efeito especial ficou constantemente a repetir, mas eventualmente acabou por desaparecer. De resto, tudo correu de forma normal e esperada.

 

 

Um remake de outro planeta

O remake de Destroy All Humans! acaba por resultar na melhoria esperada, sendo alvo de pequenos ajustes na jogabilidade relativamente ao padrão de hoje em dia. Para além da jogabilidade afinada, o outro grande destaque vai obviamente para o visual renovado, e os próprios níveis também acabam por estar mais recheados do que a versão original. A variedade de missões, arsenal e desafios secundários, a juntar ao tal bom humor, acabam por proporcionar umas boas horas de divertimento. Quer já estejam familiarizados com a série ou ainda tenham de experimentar esta aventura alienígena, esta é certamente uma boa oportunidade.

 

positivo Remaster com três vezes mais upgrades que o jogo original
positivo Várias melhorias ao nível da jogabilidade
positivo Bom sentido de humor
positivo Visuais apelativos e mapas mais compostos
positivo Inclusão de várias atividades secundárias

errado Câmara da nave podia estar melhor

Data de Lançamento: 28 de julho de 2020
Produtora: Black Forest Games
Editora: THQ Nordic
Género: Ação, Aventura
Disponível para: Windows, Playstation 4 e Xbox One

Foi disponibilizado um código para análise (Playstation 4) por parte da Dead Good Media.

Autor: Pedro Simões

Um apaixonado por videojogos e apreciador de anime. Por vezes, possuidor de opiniões pouco populares. @bakum4tsu

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.